Booger Network

Sobre a Rede

Booger Network é uma compilação de blogs dispostos em diversas categorias. Estamos em fase de expansão e em breve teremos mais blogs e diferentes categorias.

Anuncie

Integer erat orci, congue sed feugiat eu, pharetra in tellus. Nulla vel est et mi fermentum ullamcorper at a justo. Fusce scelerisque nisi vehicula mauris placerat quis accumsan dolor adipiscing. Donec tempus, nibh ut volutpat fermentum, mauris sem imperdiet ante, at dignissim magna tortor in dui. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Contato

Blogueiros

Praesent ac elit metus. Ut sed sem nec lorem fringilla molestie a vel risus. Phasellus a commodo felis. Praesent at libero velit.

Leitores

Donec facilisis, sapien ut elementum faucibus, justo urna dignissim sapien, vel elementum lorem est euismod nisi.

Anunciantes

Fusce vitae nunc mi, quis faucibus orci. Nam id lorem justo. In arcu lectus, commodo eget pharetra sed, rutrum quis sapien.

CapinaLolja

O Desiluminado – Parte II

por em 8/10/2007 às 8:09

Egocentrismo, Papo Sério

Para cada problema, uma solução.


Na parte I, paramos com a chegada da penumbra da noite e todos os problemas que ela traz, pra quem não tem luz. Mas como diz o título dessa segunda parte, para cada problema, uma solução. Não temos luz para jantar? Jantaremos romanticamente a luz de velas. Não temos televisão para assistir? Dormiremos cedo para repor as energias. Tudo no freezer/geladeira está apodrecendo? Cozinharemos tudo e comeremos. Afinal, se tudo vai mal, o estômago não tem culpa.

Sorte minha que tenho curso a noite. Deixo a família iluminada pelo poste da rua a tomar chimarrão e me dirijo para aquele prédio iluminado, muitas luzes ofuscantes, que até fazem doer os olhos. Volto cerca de 23hrs, não o horário que dormiria normalmente, mas já sim cansado suficientemente para pegar no sono. O trajeto de volta para casa era aonde eu conseguia notícias do blog e do Grêmio, um ao oposto do outro. O blog em apogeu e o Grêmio…

Um herói desse período negro foi o meu incrível celular. Enquanto todas as outras baterias iam terminando, o meu continuava firme e forte, iluminando as urinadas noturnas, iluminando as subidas e descidas da escada tortuosa que dá para o meu quarto e, sobretudo, iluminando o buraco da fechadura que dificilmente acerto quando há luz, imaginem sem ela. Por isso, meu celular – que serve apenas de despertador e relógio e que nunca soube o que era crédito – eu o agradeço.

Sem perder as esperanças de luz no amanhã, não tomei banho gelado na noite de quarta-feira. Tasquei-lhe desodorante e perfume e fui-me embora. Com medo que não voltasse a luz na quinta-feira, retirei um livro na biblioteca, Quincas Borba. E realmente quinta foi o dia em que tive de encarar o banho gelado e o Machado de Assis.

Entre quinta e sexta li todo livro. Eis um resumo: Quincas Borba, homônimo a seu cão, era um velho filósofo rico que ficou maluco e morreu, deixando toda sua fortuna para seu criado Rubião. Que por sua vez foi ao Rio de Janeiro, gastou toda grana do Quincas, ficou louco também e morreu. Linda história.

E depois de um ataque térmico e o início de uma pneumonia grave por conta do banho glacial, tudo correu naturalmente. Tirando as goteiras no meu quarto, que são um problema e parece que não tem solução. E que agora, não mais caem do lado da minha cama, e sim no meu travesseiro e por sua vez, na minha cara. Viva!

E aguardem o final dessa emocionante história, amanhã, aqui, no seu querido blog.

1 Comentário

  1. -Reserva- disse:

    HUAhua confesso que não tomo banho. Tá ali ó…