Animaremos

Animaremos – JoJo’s Bizarre Adventure – Part 1: Phantom Blood [Anime – Mangá]

Olá meus amores, Andrei aqui. Pensei muito sobre a review de hoje e eis que me veio a ideia de fazer sobre JoJo, uma das obras que mais influenciou a cultura NERD/GEEK, sim, não é só a cultura “OTAKU”(odeio essa denominação, mas ok)

Hoje falarei sobre:

  JoJo’s BIZARRE ADVENTURES:

   PART 1 – THE PHANTOM BLOOD (ファントムブラッド)

Com o recente término da adaptação da parte 4 para anime, me veio a ideia de fazer uma review sobre a parte 4 mesmo, mas achei que ficaria confuso se eu não começasse do começo… então, AI VAMOS NÓÓÓS.

Hirohiko Araki e Clint Eastwood

Escrito e desenhado por Hirohiko Araki, a primeira parte foi publicada pela famosa revista Weekly Shonen Jump no ano de 1987 e recentemente relançado em formato Kanzenban (igual o Cavaleiros do Zodíaco novo) chamado de “Jojonium”. Ela é dividida em 44 capítulos, sendo do formato original do volume 1 ao 5 e no relançamento do 1 ao 3.

No anime, produzido pela David Productions, a primeira temporada passou em 2012 e teve um total de 26 episódios. Sendo do episódio 1 ao 9 a parte 1 (Phantom Blood) e do 10 ao 26 a parte 2 (Battle Tendency). Mas como dito, hoje só falarei da parte 1.

A história começa em 1880 em Liverpool, Inglaterra, onde conhecemos Jonathan Joestar e seu pai Jorge Joestar que vivem de maneira pacífica em uma casa bem rica. Um dia Jorge adota Dio Brando, filho de um homem que viera a falecer e que a muito tempo havia “salvo” ele e Jonathan, na época, recém nascido. Mal sabia JoJo que sua vida iria virar pra baixo depois da chegada de seu “novo irmão”.

Jonathan e Dio

Acho que eu não tenho muita coisa a dizer sobre essa primeira parte, ela é bem simples se compararmos às outras, mas ela tem uma importância significante no plot das sagas subsequentes.

Sim, o plot é relativamente simples, mas no meio disso, nós temos boas lutas, personagens carismáticos (mas BEM caricatos),  uma trama que envolve pela sua simplicidade e é claro, vemos o começo de um dos mangás/animes mais consagrados e homenageados do mundo.

 

Pose do Jonathan

O character design bebe da água de Hokuto no Ken, muitas vezes dando pra confundir Jonathan com o Kenshiro. Como o design é parecido, você vai ver brucutus imensos lutando em épicas batalhas. O grande “diferencial” (sim “ porque vocês vão ver o Jotaro, na parte 3, “imitando” a pose do Kenshiro) são as poses fabulosas dos personagens, que aliás… são até meme na internet.

Visualmente a obra pode parecer um pouco estranha nos traços do mangá, a anatomia algumas vezes parece esquisita, mas recebeu uma boa suavizada no anime. Conforme  o tempo foi passando Araki-sensei melhorou muito seu desenho e hoje tem um dos traços mais bonitos entre os autores.

Ele se torceu inteiro pra dar um soco

     Agora podemos ir a parte que eu mais gosto…

REFERÊNCIAS

 *Fazendo alguma pose daora*

Dio Brando, o grande vilão da obra… pensa em um cara sacana (leia-se filho da put*). É a grande homenagem ao  DIO, antigo vocalista da banda Black Sabbath e do ator Marlon Brando.

KONO DIO DA.

O interesse amoroso de Jonathan, a poderosa menina mulher, Erina Pendletom. O nome Erina é um acrônimo de Eleanor Rigby, música da banda The Beatles.

ESSA MINA É FOD*

Temos também o homem que viria se tornar o melhor amigo de Jonathan e o maior locutor de luta de brucutus, Robert E. O. Speedwagon. Ele teve seu nome baseado na banda americana, formada em 1967,  REO Speedwagon.

Speedwagon, Galvão Bueno de Jojo

O mentor de Jonathan, William Anthonio Zeppelin ensinou para ele o poder do Hamon/Ripple/Onda. Tem seu nome em homenagem a William Tell (Guilherme Tell) e a banda inglesa Led Zeppelin.

Destrói a pedra, sem destruir o sapo.

Mestre de Zepellin, o tibetano Tonpetty. Nome tirado do músico americano Thomas Earl Petty, também conhecido como Tom Petty. Junto a ele, apareceram os seus dois outros discípulos, Dire e Strazo. A dupla teve seus nomes inspirados na banda Dire Straits. É meu amigo, nem os Sultões do Swing saíram ilesos.

Strazo, Tonpetty e Dire

Por ultimo, temos o encerramento da primeira temporada do anime, que é a música Roundabout da inglesa “Yes”. (MEU DEUS COMO EU AMO ESSA MÚSICA)

E não vá achando que só Jojo faz referência de outras mídias. A obra sempre recebe referências em diversas mídias, bem como em animes, mangás, histórias em quadrinhos, cinema, vídeo-game. Um dia eu trarei uma matéria separada falando de várias referencias a JoJo. <3

Jojo é uma obra que vem avançando com o passar do tempo e tem cada vez mais chamado a atenção do mundo. Acontece que devido aos direitos autorais, muitas vezes diversos personagens tiveram que trocar de nome e principalmente, isso deixa ainda mais difícil a publicação em outros países por conta desse mesmo problema.

Se você é uma pessoa que adora Hokuto no Ken e nunca viu Jojo… VEJA. Eu recomendo para os fãs mais casuais de anime de luta também, mesmo que algumas vezes tenhamos respostas muito fáceis, ainda vemos lutas muito bem elaboradas. O único problema é que JoJo é 8 ou 80, ou você gosta muito ou odeia.

A parte 1, como eu disse diversas vezes, é bem simples e talvez seja mais rápida e fácil de ler/assistir. Ela era até que bem despretensiosa, mas tem excelentes lutas, um vilão ícone e um dos finais mais maneiros que eu já vi, o que faz valer muito a pena ver.

Câmbio e Desligo.

Críticas, sugestões…. deixem nos comentários. “Sejam gentis :)”

E não se esqueçam, temos uma pagina no facebook: facebook.com/animaremos/.

Escrito por Andrei: Adorador de animes/mangás, joga video-game extremamente devagar, geralmente não os termino… gosto de livos de romance policial e é claro, sou um autointitulado sommelier de boa cerveja. Nos meus tempos livres eu gosto de fazer nada, isso quando não estou dormindo.

Comentários

Populares

Topo