Imaginaremos

Imaginaremos #15 – Tagmar

Oi gente, sejam bem vindos a mais uma edição do Imaginaremos, a melhor coluna de RPG do Capinaremos! Sim, eu sei que somos a única, mas enfim…

Vamos falar de coisa boa, vamos falar de TAGMAR, o primeiro RPG 100% nacional! Tagmar surgiu  no início dos anos 90 (mais especificamente 1991), uma época em que os projetos nacionais eram raros e escassos. A bem da verdade, esse foi um período muito legal, em que começaram a se diversificar os sistemas e começou a se expandir a gama de opções para os jogadores que estavam dispostos a dar uma chance a algo novo. Ainda assim, era meio difícil fazer qualquer coisa vingar, porque as preferências do povo brasileiro sempre foram bem definidas, ainda que um tanto cíclicas e regionais. Enfim, competir com sistemas consolidados como D&D e GURPS pode ser muito difícil até hoje!

O Tagmar utiliza o sistema Storyteller, então vou comentar um pouquinho sobre ele primeiro. Enquanto outros RPGs populares como o D&D utilizam o sistema D20, o Storyteller utiliza o D10, o que significa que a maioria dos testes é realizado com o dado de 10 faces como base. O Storyteller tem vários facilitadores para o desenrolar da campanha, como o Prelúdio, que é nada menos que um histórico bem desenvolvido do personagem, fator que sempre agrega à experiência, mas no Storyteller é simplesmente obrigatório pra começo de conversa.

Enfim, existem muitos pontos que destacam o Storyteller dos demais sistemas, mas seu foco sempre é dar espaço pra interpretação ao jogador, ou seja, sem um excesso de regras e rolagens. Enquanto alguns sistemas como o GURPS são baseados em testes (muitos, muitos testes), a coisa mais importante no Storyteller é a narração e a jogabilidade, tanto que nós temos sempre um Narrador ao invés de um Mestre.

Tagmar carrega o título honroso de ser o primeiro RPG completamente nacional. O sistema se baseia principalmente na obra de J.R.R. Tolkien, o que inclusive gerou muito debate, pois isso tornou a ambientação meio parecida com D&D. Sob uma análise apurada, as diferenças entre D&D e Tagmar são gritantes, mas até hoje tem gente que insiste em apontar as similaridades. Inclusive, a primeira leva de adeptos de Tagmar ficou apelidada de Geração Xerox, alcunha que a gente ainda escuta até hoje!

A maior novidade que o Tagmar trouxe, até meio revolucionária pra época, era ter tudo que um RPG precisava em um único livro; regras, ambientação, magias, criaturas e uma aventura pronta. Veja bem, nesse período os livros eram todos importados, e custavam uma fortuna! Isso muitas vezes tornava jogar um hábito que só dava pra ter quem era rico mesmo, e se tem alguém mais além de mim daquela época por aí (não ousem me chamar de velha), vai lembrar que era muito comum cada membro do grupo comprar um livro diferente pra tornar viável jogar sequer uma única campanha. Aí, se por qualquer motivo alguém saía do grupo, era um drama sem fim! Claro que hoje isso é um tanto irrelevante, com todo o material e comunidades que temos na internet, mas nos anos 90 era um Deus nos acuda. Por conta disso, Tagmar foi muito bem recebido por nós, humildes jogadores. Infelizmente, em 1997, a GSA, editora do Tagmar, fechou, e com isso o sistema foi descontinuado para a tristeza de muitos adeptos!

Mas a história do Tagmar não acaba aí, não – em 2004, os autores resolveram liberar os direitos do sistema, tornando Tagmar público, de uso livre, totalmente gratuito! Surgiu assim o projeto Tagmar 2, uma coisa linda de se ver! Esse projeto cresceu muito ao longo dos anos, contando com diversos livros gratuitos para download e um fórum extremamente ativo e prestativo. Alguns anos depois de seu lançamento, o Tagmar 2 deixou de ser restrito a seu sistema próprio e evoluiu imensamente se dispondo a se adaptar para outros sistemas, o primeiro sendo o Daemon em 2006. Ainda existem diversas adaptações pendentes, que acabaram nunca acontecendo – mas ainda continuo esperando a adaptação pra D20 até hoje! Além do Daemon, também houve em 2011 uma adaptação de Tagmar para Old Dragon.

Enfim, Tagmar hoje tem quase 26 anos e continua evoluindo! Foi um dos poucos sistemas a dar um passo tão grande em direção à era digital, e fez isso extremamente bem. A quantidade de material disponível no Tagmar 2 é simplesmente incrível, e eu recomendo qualquer um dos mais de 30 títulos como excelente fonte de informação e material de campanha.

Boas aventuras e até a próxima!

Por Luciana Mariani, projeto de escritora, agitadora de qualquer coisa e geek exímia

Comentários

Populares

Topo