Colunas

Imaginaremos #24: Jogando com Classe pt.2

Capa Imaginaremos24

Sejam bem-vindos a mais um Imaginaremos, a coluna de RPG do Capinaremos! Hoje, continuando a postagem passada, uma breve explicação sobre as classes mais clássicas de todos os tempos em Dungeons & Dragons. E claro, com as Capivarinhas da Guilda pra ilustrar. Então venha, prepare seu escudo e termine seu hidromel, pois a batalha será gloriosa!

Mas antes de qualquer batalha, devo lembrar que o prazo para as inscrições do sorteio está acabando. Já tem mais de 160 capivarinhas inscritas, ansiando para ganhar caneca, camiseta e o D&D Starter Set. E você, vai ficar fora dessa? Se inscreva, só vai até dia 25/04.

O Sorteio será realizado dia 30/04.

D&D PROMO

Inscreva-se aqui!

Bárbaros, O Instinto Primitivo

Capiárbaro

Capiárbaro pode adorar uma peleja, mas nunca recusa uma boa festa!

As pessoas na cidade podem se orgulhar de seus jeitos civilizados que os separam dos animais, como se negando a natureza de um tornasse-os superiores. Mas é exatamente essa ligação com a natureza que torna os bárbaros tão poderosos. Instintos aguçados, físico primal e fúria insana. Bárbaros se sentem desconfortáveis atrás de muros e em multidões. Preferem os ermos, a tundra, as florestas densas e os longos descampados onde suas tribos caçam e vivem.

 

Bárbaros estão mais vivos do que nunca no calor da batalha. Entrando em uma fúria insana, esses guerreiros adentram o campo de batalha portando força e resistência sobre-humanas. Um bárbaro pode ativar sua reserva de fúria apenas algumas vezes antes de descansar, mas essas fúrias são o suficiente para massacrar um pequeno exército.

Nem todo homem que vive longe das cidades é um Bárbaro, entretanto. Apesar de ser comum o povo da cidade apelidar seus primos mais distantes deste nome, apenas os guerreiros mais habilidosos são elegidos como verdadeiros bárbaros. Esses homens e mulheres assumem uma posição como protetor de seu povo e líder, em tempos de guerra. E a vida nos lugares selvagens do mundo é repleta de perigos: Tribos rivais, clima mortal, sem contar os monstros terríveis que espreitam na escuridão. Os Bárbaros enfrentam essas ameaças para que seu povo não desapareça.

Sua coragem em frente ao perigo faz dos bárbaros feitos para a aventura. O modo de vida nômade é, na maior parte das vezes, algo natural das tribos nativas e a vida sem raízes é muitas vezes o melhor caminho para o Bárbaro. Alguns desses guerreiros sentem falta dos laços próximos que tinham com suas famílias quando dentro das tribos, mas eventualmente esses laços são substituídos pelos formados pelos membros das equipes de aventura.

Bardos, A Força da Pena sobre a Espada

Capibarda

Muito mais do que música, Capiarda faz a própria criação chorar quando toca seu alaúde.

Seja um acadêmico, um bufão ou um pirata, um Bardo traz magia através de palavras e música para inspirar seus aliados, desmoralizar seus inimigos, manipular mentes, criar ilusões e estragar planos de infiltração.

 

Em mundos de fantasia, palavras e música não são apenas simples vibrações no ar, mas vocalizações com um poder próprio. O Bardo é o mestre da melodia, da palavra e a magia que estes instrumentos contém. Alguns bardos dizem que o multiverso foi falado em existência, que as palavras que os deuses disseram deram a forma ao Cosmos e que tudo foi formado pelos ecos dessas palavras da Criação. A música dos bardos é uma tentativa de imitar tais ecos, sutilmente encravados em suas magias e poderes.

Sua grande força está no poder da versatilidade. Muitos bardos preferem manter-se nos flancos da batalha, usando suas magias para inspirar seus aliados e obstruir inimigos a distancia. Mas não se engane, pensando que esses valentes bufões são inúteis em um combate pesado. Capazes de defender-se a corpo-a-corpo se necessário, usando sua magia para criar uma sinergia entre suas lâminas e armadura. Muitas de suas magias são inclinadas para o ilusionistas e manipulação ao invés de destruição. Bardos possuem um conhecimento amplo sobre uma infinita diversidade de assuntos e uma aptidão natural que lhes permite fazer quase qualquer coisa bem. Mestres dos talentos, bardos trabalham suas mentes para a perfeição, de performance musical a conhecimento esotérico.

Monges, O Poder da Disciplina

Capionge A Capivara Monge

Disciplina e força movem os punhos do Capionge, esmagando faces e quebrando ossos.

Seja qual for a tarefa, Monges são capazes de concentrar magicamente a energia que flui através de seus corpos. Seja tal energia canalizada em uma demonstração furiosa de combate corpo-a-corpo ou em foco de uma habilidade defensiva e evasiva, essa energia permeia tudo que o monge faz.

 

Através de um estudo cuidadoso da energia mágica que a maioria dos monastérios chama de Ki, Monges aprendem desde cedo que este é o elemento mágico que impregna pelo multiverso – especificamente, o elemento que flui através de todas as criaturas vivas. Monges utilizam esse poder em si mesmos para criar efeitos mágicos e exceder os limites físicos de seus corpos, e as vezes usando alguns ataques concentrando o Ki de seus corpos. Usando essa energia, monges canalizam velocidade e força fantásticas em seus ataques desarmados. Conforme ganham experiência, seu treinamento marcial e o aperfeiçoamento de seu Ki dá a estes guerreiros mais poder sobre seus corpos e os corpos de seus inimigos.

Para um Monge, tornar-se um aventureiro significa deixar um estilo de vida estruturado para tornar-se um peregrino. Essa pode ser uma transição dolorosa para um guerreiro tão regrado e a maioria dos monges não tem uma transição calma. Aqueles que deixam seus casulos levam seu trabalho muito a sério, transformando suas aventuras em testes pessoais para seu crescimento físico e espiritual. Como regra, monges se importam muito pouco para riqueza material e normalmente são movidos pelo desejo de completar uma missão maior que meramente matar monstros e pilhar seu tesouro.

Paladinos, O brilho de luz nas trevas

Capilina A Capivara Paladina

Capilina mandou avisar que Leal Bondoso não significa Leal Bundão

Seja qual for a origem e sua missão, paladinos são unidos por seus votos de se colocar contra as forças do mal. Verdadeiros pilares de virtude, aqueles que juram diante do altar de seus deuses são sagrados Cavaleiros da Virtude diante dos espíritos da natureza. Em momentos de grande desespero ou terrível perigo quando a morte é a única testemunha, o voto do Paladino é uma ligação poderosa. É a força que transforma um guerreiro devoto em um Campeão Abençoado.

 

Um Paladino jura manter-se como um estandarte da justiça e da virtude, protegendo todas as coisas boas da escuridão rastejante e caçar suas forças onde quer que se escondam. Paladinos focam em diferentes aspectos da causa da virtude, mas todos eles são ligados aos votos que lhes garantem o poder para realizar seu trabalho sagrado. Apesar de muitos paladinos serem devotos de deuses bondosos, o poder de um paladino vem do compromisso com a justiça em si, não exatamente do deus a qual ele é devoto.

Treinados por anos e anos em habilidades de combate, aperfeiçoando-se em uma variedade de armas e armaduras. Apesar disso, suas habilidades marciais são consideradas ferramentas secundárias em relação ao poder mágico que esses campeões brandem. O poder da cura àqueles que estão doentes e feridos, a punição àqueles perversos e os mortos-vivos e a proteção aos inocentes e àqueles que se juntam em sua luta pela justiça.

Paladinos que escolhem a vida de aventura levam seu trabalho a sério. Seja adentrar uma ruína ancestral ou uma cripta empoeirada, essas tarefas sempre serão movidas por um propósito maior que a aquisição de um tesouro. O mal permeia calabouços e florestas primitivas e mesmo a menor vitória da escuridão pode balançar para sempre o equilíbrio cósmico e entregar o multiverso ao esquecimento.

Bruxos, O Contrato

Capiuxo A Capivara Bruxo

Capiuxo traz de outros planos sua magia ancestral e está mais do que preparado para defender a guilda de qualquer inimigo.

Perseguidores de conhecimento que esconde-se atrás da verdadeira fabrica do multiverso, Bruxos conseguem, através de pactos com seres misteriosos com poderes sobrenaturais, desbloquear efeitos mágicos de potencial espetacular. Portando o conhecimento ancestral de tais criaturas como Feéricos Nobres, Demônios, Diabos, Bruxas e entidades alienígenas do Reino Distante, Bruxos costuram seus segredos arcanos para ampliar seu próprio poder.

 

Um Bruxo sempre é definido por seu pacto com um ser de outro plano. Algumas vezes, o relacionamento entre o Bruxo e seu Patrono é parecida com a de um clérigo com sua divindade, apesar que os seres que servem de patronos para os Bruxos não serem deuses. Um Bruxo talvez possa liderar um culto dedicado a um príncipe demônio, um arquidiabo ou uma entidade alienígena além-compreensão. Mais frequentemente, o contrato é similar aqueles estabelecidos entre Mestre e Aprendiz. O Bruxo aprende e cresce em poder, ao custo de eventuais serviços realizados para seu patrono.

A magia do Bruxo vai de pequenas mas contínuas alterações no próprio Bruxo (como a habilidade de enxergar no escuro ou ler em qualquer idioma) até acesso aos mais poderosos feitiços. Diferente dos Magos, Bruxos podem canalizar sua magia com mais facilidade através de combate corpo-a-corpo. Sentindo-se confortáveis em armaduras leves e conseguindo usar armas simples, esses aventureiros não estão despreparados para um combate pelas suas vidas.

Uma coisa é certa. Uma vez que o pacto tenha sido feito, a sede do Bruxo por conhecimento e poder não pode ser aplacada por mero estudo e pesquisa. Fazendo uso pleno dos poderes ganhos por seus poderosos patronos, Bruxos passam seus dias perseguindo ativamente seus objetivos, tipicamente na forma de aventuras. E seus patronos sempre encaminham seus protegidos as maiores delas.

Magos, Estudiosos do Arcano

CapiMaga A capivara Maga

Capimaga, sempre com seu cajado e seu olhar curioso para o mundo a sua volta.

Selvagem e enigmática, variando as vezes de forma e função, o poder da magia leva os estudantes a aprender seus mistérios. Alguns aspiram a divindade, moldando a realidade a sua volta. Apesar de que a conjuração de um feitiço típico requer meramente a anunciação de um punhado de palavras estranhas, gestos amplos e algumas vezes um pouco de material exótico, esses componentes apenas anunciam escassamente a expertise de um mago depois de anos de aprendizado e incontáveis horas de estudo.

 

Magos vivem e morrem pelas suas magias. Qualquer outra coisa é secundária em suas vidas. Eles aprendem novos feitiços conforme experimentam e crescem em experiência. Eles também podem aprender com outros magos, através de tomos ancestrais e inscrições, ou até mesmo de criaturas de outras eras (como os feéricos).

O chamado pelo conhecimento e poder atrai até mesmo os menos aventurescos arcanos para fora de suas livrarias e laboratórios. Esses estudiosos arcanos adentram ruínas inundadas e cidades perdidas com sede de conhecimento, esquecendo-se as vezes da condição do local.

Feiticeiros, O talento natural

Capiceira

Capiceira nunca está despreparada. Agora, pergunte a ela seu peso…

Carregando a herança ancestral conferida por uma linhagem sanguínea exótica, esses aventureiros não escolheram a feitiçaria. A feitiçaria lhes escolheu.

A magia é parte integral da vida de um feiticeiro, infundindo seu espirito, corpo e mente com um poder latente que anseia por ser liberado. Alguns feiticeiros utilizam magia que antevê de uma linhagem sanguínea ancestral impregnada com a magia de Dragões. Outros carregam a magia pura, descontrolada, uma tempestade caótica que se manifesta de maneiras inesperadas.

O aparecimento dos poderes de um feiticeiro é imprevisível. Algumas linhagens dracônicas produzem exatamente um feiticeiro a cada geração, mas outras linhas de descendência tornam cada individuo um feiticeiro. Na maior parte do tempo, os talentos do feiticeiro aparecem como simples truques. Alguns feiticeiros não conseguem determinar a origem de seu poder, enquanto outros traçam-no para eventos estranhos em suas vidas. O toque de um demônio, a benção de uma dríade no nascimento de um bebê ou o provar de um lago misterioso no meio de um deserto.

Feiticeiros não fazem uso de pesados livros de feitiço como os magos e nem dependem de um patrono como os bruxos. Através de autoconhecimento, esses aventureiros aprendem a controlar e canalizar sua magia natural, descobrindo novas e incríveis formas de liberar seus poderes.

Druidas, A força da Natureza

CapiDruida A Capivara Druida

Capidruida e sua mascote Worm. Perseguindo forças do mal e minhocas inimigas desde 2007.

Seja chamando as forças elementais da natureza ou emulando as criaturas do mundo animal, Druidas são o encorporamento da natureza, em toda sua resistência, astúcia e fúria. Eles não clamam domínio sobre a natureza, ao invés disso, enxergam a si mesmos como extensões da vontade indomável da natureza.

 

Reverenciando a natureza acima de tudo, esses aventureiros ganham seus feitiços e outros poderes mágicos através da própria força da natureza ou alguma entidade relacionada. Muitos Druidas perseguem a espiritualidade e a união transcendental com a natureza ao invés de uma simples devoção a uma entidade divina. Tradições ancestrais druídicas são muitas vezes chamadas de “Velha Fé”, em contraste com a adoração de deuses em templos e capelas.

Magias Druídicas são orientadas através da natureza e seus animais. O poder dos dentes e das garras, do sol e da lua, do fogo e da tempestade. Druidas também ganham a habilidade de tomar a forma de animais e alguns desses fazem um estudo particular dessa pratica, chegando ao ponto de preferir a forma animal à sua natural.

Muitas vezes encontrados guardando locais sagrados ou observando regiões de natureza intocada, esses guerreiros sentem quando o perigo se aproxima, ameaçando balançar a estabilidade das terras que protegem. Druidas então tomam o papel de combater essa ameaça, como aventureiros.

Fechamento

CAPINAPARTYHoje tenho alguns anúncios a fazer. Já começou a venda das canecas das capivarinhas. Por enquanto não conseguimos arrumar uma loja on-line, então todos os pedidos podem ser feitos diretamente a mim. Gostaria também de anunciar que o Imaginaremos vai começar a transmitir partidas de RPG via twitch, aos domingos de tarde! Nosso primeiro jogo será Deadlands e um trailer está sendo providenciado para deixar todos no hype!

Como sempre, agradeço a leitura desse post (que ficou bem grandinho). Boa semana e boas rolagens!

Por Murilo Lamegal, escritor, empresário, ilustrador errante, que corre do missigno e esqueceu de beber a poção pra enfrentar o arquigrifo.

Comentários

Populares

Topo