5 Músicas

5MÚSICAS: Anos 70

 

Bom dia pessoal! Tudo bem com vocês? Mais um 5MUSICAS começando e hoje nosso tema é “Anos 70”. Estava eu, há duas semanas, na estreia de “Guardiões da Galáxia Vol. 2” (excelente filme, por falar nisso. Compensa muito assistir – Sou suspeito pra falar, mas é muito bom mesmo) e percebi que mais uma vez os produtores acertaram na trilha sonora que é repleta de músicas muito dançantes e animadas. Inclusive, uma das músicas que compõe essa playlist de hoje está presente na longa da Marvel.

Época marcada por muito soul, R&B, Disco e Pop, os anos 70 possuem uma identidade única, uma vez que foi um momento na história de muitos conflitos sociopolíticos e culturais que corroboraram para quebra de tabus e aparecimento de diversos movimentos que apresentaram conceitos muito inovadores para o momento. Com o famoso lema “paz e amor”, o movimento Hippie ganhou muita força após Woodstock, que aconteceu em 1969, e isso permitiu que os jovens (majoritariamente) pudessem se expressar sem repressão. Surgia ali uma nova forma de se levantar contra a sociedade tradicional, no que diz respeito à cultura (música, moda, teatro, literatura etc).

Os frutos desta rebelião anti-establishment foram, entre outros, os movimentos Punk (na Inglaterra), movimento Glam, movimento Black is Beautiful e movimento da Tropicália (no Brasil), tudo isso já nos anos 70. Diversificação é a melhor palavra para descrever a década da quebra de tabus, quando houve o surgimento de novas tribos, novas formas de se vestir e novas formas de pensar. O conceito de grife nunca foi tão importante. Cores fortes marcaram esses anos e isso é de extrema relevância, uma vez que inovações deviam surgir e se estabelecer.

https://i1.wp.com/media3.giphy.com/media/3og0ICIF9XqPVdXQn6/giphy.gif?w=1000&ssl=1

Um momento de subjetividade. Por não me sentir muito identificado ao movimento Punk (Sex Pistols, The Clash etc) e à Tropicália (Caetano, Gilberto, Mutantes etc), apesar de nutrir profundo respeito aos nomes, foco essa playlist no movimento Glam (apesar de excluir o ícone David Bowie, uma vez que acredito que seria muito repetitivo) e no Black is Beautiful. Por isso já peço: caro leitor, o que você acha que faltou nessa lista? Comente depois!

Sem mais delongas, toca o som!

 

Comentários

Populares

Topo