Booger Network

Sobre a Rede

Booger Network é uma compilação de blogs dispostos em diversas categorias. Estamos em fase de expansão e em breve teremos mais blogs e diferentes categorias.

Anuncie

Integer erat orci, congue sed feugiat eu, pharetra in tellus. Nulla vel est et mi fermentum ullamcorper at a justo. Fusce scelerisque nisi vehicula mauris placerat quis accumsan dolor adipiscing. Donec tempus, nibh ut volutpat fermentum, mauris sem imperdiet ante, at dignissim magna tortor in dui. Lorem ipsum dolor sit amet, consectetur adipiscing elit.

Contato

Blogueiros

Praesent ac elit metus. Ut sed sem nec lorem fringilla molestie a vel risus. Phasellus a commodo felis. Praesent at libero velit.

Leitores

Donec facilisis, sapien ut elementum faucibus, justo urna dignissim sapien, vel elementum lorem est euismod nisi.

Anunciantes

Fusce vitae nunc mi, quis faucibus orci. Nam id lorem justo. In arcu lectus, commodo eget pharetra sed, rutrum quis sapien.

CapinaLolja

Contrapeso.

por em 29/05/2008 às 18:26

Ah Vai Carpi Milho, LOL Risos

Você que fica reclamando do peso da sua mulher não deve sabe uma das muitas utilidades de uma esposa gordinha

Santo contrapeso, Batman!

Coke

por em 29/05/2008 às 12:09

LOL Risos

Por vezes, somos indelicados e egoístas. Todos somos não adianta dizer que não. Até Ele foi.

Arruinando boas memórias.

por em 28/05/2008 às 20:18

Quadrinhos

Algumas palavras, ditas em poucos segundos, podem acabar com momentos passados que foram sempre cultivados com carinho…

Photobucket
Eu nunca havia notado também. =~

Pense bem...

por em 28/05/2008 às 20:03

LOL Risos

Antes de achar que é fodão e que pode passar por cima dos gordinhos

Eles te engolirão!

Hora do asilo.

por em 28/05/2008 às 17:55

Ah Vai Carpi Milho, LOL Risos

Você tem uma pessoa idosa em casa e sente que ela já está ficando muito debilitada, fraca, doente, com perda de memória e loucuras em geral?

Mas você tem pena de largá-la em um asilo qualquer, onde eles poderão receber um tratamento ruim e então permanece com ele em sua casa.

Fica apenas uma dica, não deixe que chegue nesse ponto:

Photobucket
Insanidade mental é triste, não riam do tiozinho.

Mãe, me dá um desses?

por em 28/05/2008 às 7:31

Papo Sério

Update: achei a idéia interessantíssima, e como nos comentários falaram em iMAC, andei dando uma pesquisada, e fiquei igualmente surpreso com o que vou mostrar abaixo:

Monitor também translúcido de 30“. Reparem no teclado.

Na 1ª imagem ele ligado. Nesta, acima, ele desligado.

Para quem vive, respira, trabalha, estuda se diverte a frente de um computador sabe e reconhece que a Sony, com sua linha Vaio é um sonho de consumo.
Sempre com um estilo diferenciado e funcionalidades mil. Inovando, modernizando, até ousando, mas dessa vez eles foram longe demais. DEMAIS.
Taí, ó o lançamento do novo notebook conceito da Sony.

O que ele tem demais? Não, não é o fato dele ser fininho, mas de ter a tela de vidro transparente.

Abusaram da tecnologia, tudo funciona por meio da tecnologia batizada por eles de holografic glass screen, ou seja, desligado é apenas uma tampa de vidro finíssima sobre o teclado do seu note, mas, ao ligar o note, esse vidro se transforma num visor de altíssima resolução.

O da esquerda está desligado, enquanto o da direita está ligado. Muito, muito, muito show!

P.s: Não apenas a mãe, mas se algum leitor quiser nos presentear com um desses, saibam que podem ficar a vontade e fazê-lo o quanto antes. =]

Paixão nacional.

por em 27/05/2008 às 20:28

Ah Vai Carpi Milho

Encontrei um texto com o qual me identifiquei prontamente.

Pelada é o futebol de campinho, de terreno baldio. Mas existe um tipo de futebol ainda mais rudimentar do que a pelada. É o futebol de rua. Perto do futebol de rua qualquer pelada é luxo e qualquer terreno baldio é o Maracanã em jogo noturno. Se você é homem, brasileiro e criado em cidade, sabe do que eu estou falando. Futebol de rua é tão humilde que chama pelada de senhora.

Não sei se alguém, algum dia, por farra ou nostalgia, botou num papel as regras do futebol de rua. Elas seriam mais ou menos assim:

DA BOLA – A bola pode ser qualquer coisa remotamente esférica. Até uma bola de futebol serve. No desespero, usa-se qualquer coisa que role, como uma pedra, uma lata vazia ou a merendeira do seu irmão menor, que sairá correndo para se queixar em casa. No caso de se usar uma pedra, lata ou outro objeto contundente, recomenda-se jogar de sapatos. De preferência os novos, do colégio. Quem jogar descalço deve cuidar para chutar sempre com aquela unha do dedão que estava precisando ser aparada mesmo. Também é permitido o uso de frutas ou legumes em vez de bola, recomendando-se nestes casos a laranja, a maçã, o chuchu e a pêra. Desaconselha-se o uso de tomates, melancias e, claro, ovos. O abacaxi pode ser utilizado, mas aí ninguém quer ficar no gol.

DAS TRAVES – As traves podem ser feitas com literalmente o que estiver à mão. Tijolos, paralelepípedos, camisas emboladas, os livros da escola, a merendeira do seu irmão menor, e até o seu irmão menor, apesar dos seus protestos. Quando o jogo é importante, recomenda-se o uso de latas de lixo. Cheias, para agüentarem o impacto. A distância regulamentar entre uma trave e outra dependerá de discussão prévia entre os jogadores. Às vezes esta discussão demora tanto que quando a distância fica acertada está na hora de ir jantar. Lata de lixo virada é meio gol.

DO CAMPO – O campo pode ser só até o fio da calçada, calçada e rua, calçada, rua e a calçada do outro lado e – nos clássicos – o quarteirão inteiro. O mais comum é jogar-se só no meio da rua.

DA DURAÇÃO DO JOGO – Até a mãe chamar ou escurecer, o que vir primeiro. Nos jogos noturnos, até alguém da vizinhança ameaçar chamar a polícia.

DA FORMAÇÃO DOS TIMES – O número de jogadores em cada equipe varia, de um a 70 pra cada lado. Algumas convenções devem ser respeitadas. Ruim vai para o gol. Perneta joga na ponta, a esquerda ou a direita dependendo da perna que faltar. De óculos é meia-armador, para evitar os choques. Gordo e beque.

DO JUIZ – Não tem juiz.

DAS INTERRUPÇÕES – No futebol de rua, a partida só pode ser paralisada numa destas eventualidades:

a) Se a bola for para baixo de um carro estacionado e ninguém conseguir tirá-la. Mande o seu irmão menor.

b) Se a bola entrar por uma janela. Neste caso os jogadores devem esperar não mais de 10 minutos pela devolução voluntária da bola. Se isto não ocorrer, os jogadores devem designar voluntários para bater na porta da casa ou apartamento e solicitar a devolução, primeiro com bons modos e depois com ameaças de depredação. Se o apartamento ou casa for de militar reformado com cachorro, deve-se providenciar outra bola. Se a janela atravessada pela bola estiver com o vidro fechado na ocasião, os dois times devem reunir-se rapidamente para deliberar o que fazer. A alguns quarteirões de distância.

c) Quando passarem pela calçada:

1) Pessoas idosas ou com defeitos físicos.

2) Senhoras grávidas ou com crianças de colo.

3) Aquele mulherão do 701 que nunca usa sutiã.

Se o jogo estiver empate em 20 a 20 e quase no fim, esta regra pode ser ignorada e se alguém estiver no caminho do time atacante, azar. Ninguém mandou invadir o campo.

d) Quando passarem veículos pesados pela rua. Bicicleta e Volkswagen, por exemplo, podem ser chutados junto com a bola e se entrar é gol.

DAS SUBSTITUIÇÕES – Só são permitidas substituições:

a) No caso de um jogador ser carregado para casa pela orelha para fazer a lição.

b) Em caso de atropelamento.

DO INTERVALO PRA DESCANSO – Você deve estar brincando.

DA TÁTICA – Joga-se futebol de rua mais ou menos como o Futebol de Verdade (que é como, na rua, com reverência, chamam a pelada), mas com algumas importantes variações. O goleiro só é intocável dentro da sua casa, para onde fugiu gritando por socorro. É permitido entrar na área adversária tabelando com uma Kombi. Se a bola dobrar a esquina é escanteio.

DAS PENALIDADES – A única falta prevista nas regras do futebol de rua é atirar um adversário dentro do bueiro. É considerada atitude antidesportiva e punida com tiro indireto.

DA JUSTIÇA ESPORTIVA – Os casos de litígio serão resolvidos no tapa.

Do mestre, Luís Fernando Veríssimo.