• Papo Sério

    Não acordem os monstros que moram nos armários alheios.

     

    Todo mundo carrega alguns monstros no armário. A vida em sociedade exige que enterremos muitos deles e que neguemos sua existência para sempre. Só nós sabemos que eles estão lá. Alguns convivem bem com seus monstros e até conversam com eles eventualmente. Muitos morrem de medo de seus próprios monstros, só os viram de relance, não tiveram boas experiências com eles e rezam para que eles nunca mais apareçam.

    Houve épocas, até muito pouco tempo atrás, onde andar com seus monstros na rua era totalmente normal. Todo mundo andava com seus monstros na rua, por que então só você teria de escondê-los? O comum era deixar muitos dos monstros livres, fazendo suas monstruosidades a seu bel-prazer, sem nenhum tipo de censura ou reprimendas. Alguns tem saudades dessa época, “não tinha tanto mimimi”, dizem.

    Quem prendeu a maioria dos monstros de volta para os armários foi o que chamamos hoje de ‘Politicamente Correto’. Muitas pessoas, geralmente os principais alvos desses monstros, começaram a reclamar desses ataques. Com o tempo, a sociedade foi percebendo que deixar os monstros soltos nas ruas realmente não era uma boa ideia, talvez alguns deles merecessem ficar trancados, nunca mais verem a luz do dia.

    Podemos dar nomes a alguns desses monstros, os mais conhecidos são: o racismo, o machismo e a homofobia. Eles não são os únicos, temos alguns monstros mais leves, primos distantes destes ai, e alguns ainda mais “barra pesada”, que nem merecem ser nomeados aqui. Algumas pessoas convivem apenas um ou outro desses monstros, alguns convivem com todos eles, alguns jamais admitirão que sequer ouviram falar sobre eles dentro de si.

    Na sociedade atual, travamos uma batalha para segurar nossos monstros dentro de nossos armários. Alguns mantém as portas bem trancadas e jamais permitem que os monstros apareçam. Alguns deixam os monstros darem umas voltinhas só quando estão em uma roda íntima de amigos. Outros acabam destrancando as portas quando bebem um pouco demais… E ainda temos aqueles que permitem que os monstros saiam quando são inundados pela raiva e pelo ódio.

    O bom senso coletivo chegou a um acordo: Esses monstros precisam sim ser controlados. Quem não consegue controlar seus monstros, deve ser tratado como alguém perigoso e em muitas vezes ser excluído do convívio da sociedade. Sim, deixar alguns desses monstros soltos é considerado crime, mas nem sempre o porteiro relaxado é punido como prevê a lei.

    Apesar de ser hipocrisia se dizer uma pessoa pura, totalmente livre de monstros, hoje esse é o padrão que deve ser perseguido. Qualquer leve aparição de um desses monstros é considerada uma falha terrível na pessoa. Frequentemente você recebe um sermão, dizendo como é antiquado e inadequado deixar um monstro desses solto.

     

    O perigo que vivemos agora é que aparentemente algumas pessoas não estão aguentando segurar mais seus monstros dentro de si. Pode ser uma tarefa simples para a maioria das pessoas, mas algumas simplesmente não acham mais necessário fazer esse controle. Estão cansadas do ‘Politicamente Correto’, querendo dar algumas voltas com seus monstros na rua, em defesa da “liberdade de expressão”, dizem.

    São dois movimentos que estão causando essa “Rebelião dos Monstros”:

    • Normatização das monstruosidades: Quando uma figura pública importante, como um presidente, exibe seus monstros com frequência e com orgulho em TV Aberta, o restante de nós, meros mortais, passamos a achar “normal” deixar nossos monstros um pouco mais soltos;
    • Acusações incessantes: Quando gritam e apontam para você, dizendo que você esconde monstros horríveis dentro do seu armário, mesmo você tendo feito um bom trabalho em deixá-los lá trancados. Chega um momento onde você apenas aceita as acusações e os deixa sair.

    Nenhum desses movimentos deveria existir. Nossos representantes deveriam ser o exemplo maior de como matar, ou pelo menos esconder, esses monstros. E, como habilidosos controladores de monstros que todos somos, deveríamos ter mais cuidado na hora de apontar e acordar os monstros alheios.

    Talvez seus monstros estejam quietinhos e dormindo há tanto tempo que você já se convenceu que eles nunca existiram. Que bom, tomara que eles continuem dormindo para sempre. Talvez você esteja consciente da existência de seus monstros, mas esteja fazendo um bom trabalho em controlá-los, neste caso eu te parabenizo e desejo que você continue assim. Talvez você esteja pensando em parar de tentar controlar seus monstros, peço que você reflita, pessoas podem se machucar se você fizer isso.

    E talvez você já tenha desistido de manter esse controle, deixando seus monstros livres por aí, destilando ódio contra tudo e contra todos. Neste caso, desejo que você perceba as atrocidades que seus monstros são capazes de fazer, antes que seja tarde demais.

  • Colunas

    A Maldição da Residência Hill – Terror raiz na Netflix

    Um dos gêneros mais populares dos cinemas tem pouca representatividade de qualidade nas séries de TV. Ou elas são muito dramáticas ou trash demais, mas é difícil encontrar um equilíbrio entre os dois. A Maldição da Residência Hill cria um clima fantasmagórico e arrepiante, com ótimos personagens, em uma das melhores séries do ano.

    Confere a review

Carregar Mais
Topo