Quadrinhos

Romanticamente Apocalíptico [1B]

Será que algum dia eles vão se gostar?

RA1b

SNIPPY
SNIIIIIiiiipeeeeeeeeeeeeeeeeeeeEEEYY….
A voz do Piloto esticou e distorceu as letras do meu último nome, soava como uma mistura entre um xilofone e o esfregar de metais. Ele me encarava da porta, apontando pra mim

“…ESTOU DE OLHO EM VOCÊ,” ele acrescentou.
“VOCÊ AAAAAAAACHA QUE VAI SIMPLESMENTE VIR AQUI E ROUBAR MEU TRABÉÉÉÉLHO?”

“Não fiz nada disso. Não quero seu trabalho. Pega leve,” Eu respondi da forma mais calma possível. O cara estava claramente alterado e tudo que eu tinha pra me defender era uma tesoura enferrujada

“AAAH EU VOU PEGAR LEVE. EU VOU PEGAR TÃO LEVE QUE VOCÊ VAI SE DESCULPAR… IGUAL A UM CANADENSE!” ele ameaçou.

Eu já me sentia culpado por deixar me envolver com o Capitão. Durante a noite, minha arma desapareceu e foi substituída por uma tesoura muito enferrujada, localizada em uma almofada de veludo, extremamente empoeirada com uma nota anexada:
“APARELHO PARA CORTE: TEZOURA.
NÃO UTILIZAR ENQUANTO OPERAR MÁQUINAS PESADAS
SE PERDER ENQUANTO A SEGURA NÃO É PERMITIDO.”

Quando pedi minha arma de volta, o Capitão jogou uma massa empilhada e amassada de papéis amarelos nas minhas mãos.
“Mas o que é…?” Iniciei minha pergunta.

“PEDIDO DE CIDADANIA EM CAPITÂNIA, MAS É CLARRO!
ESTRANGEIRRAS COMO VOCÊ QUE ACABARAM DE SE REDESCOBRIRR EM NOSSA SOLO NÃO POSSUEM A AUTORRIZAÇÃO DE EMPUNHAR ARRMAS!”

“Mas, eu preciso delas, eu não posso apenas…”

“NÃO ATÉ QUE VOCÊ SE TORNE UM CIDADÃO DE VERDADE!” Disse o Capitão, balançando um dedo na minha cara. “DÊ-SE POR SATISFEITA QUE A CARREIRA ESCOLHIDA PRA VOCÊ LHE PERRMITE UTILIZAR UMA APARELHA PARA CORRRTES!”

O Capitão apontou para a tesoura azul à prova de crianças e enferrujada. Eu percebi que eu não ia recuperar meu rifle até que preenchesse os formulários.

Suspirei e olhei pra primeira página da “APLICAÇÃO DE CIDADANIA.” Dizia “DESENHE A BANDEIRA DE CAPITÂNIA NO CAMPO ABAIXO”.

“Como é a bandeira de Capitania?” Perguntei.

“É UMA SEGRREDO NACIONAL!” Respondeu o Capitão.

“Então como diabos eu irei…?”

“USE A PODER DA IMAGINACIÓN, IDIOTA!”

Dito isso, o Capitão enfiou a mão bem fundo no bolso de seu sobretudo, tirou uma caixa de tintas, atirou em mim, virou e marchou direto por uma parede, me deixando coberto por uma nuvem de tons pastéis.

Eu observei pelo buraco na parede. O Capitão não estava em lugar algum. Suspirei novamente e voltei a preencher o pedido de cidadania:

QUESTIONÁRIO PARA PEDIDO DE CIDADANIA DE CAPITÂNIA (PARA A DIVISÃO INTERNA DE CORTADORES):

1. VOCÊ GOSTA DAS ARTES DE CORTAÇÃO?

2. QUAL A SUA OPINIÃO SOBRE TRICÔ?

3. VOCÊ ESTÁ HABILITADO PARA USAR UMA TESOURA?

4. VOCÊ ESTÁ PREPARADO PARA DEFENDER CAPITÂNIA CONTRA A MAIS REPENTINA REBELIÃO DAS ROUPAS?

5. VOCÊ CONSEGUE SE PROTEGER COM UMA AGULHA?

6. A MÁQUINA DE COSTURA É SUA AMIGA OU INIMIGA?

7. VOCÊ GOSTA DE CONSTRUIR CASTELOS DE AREIA?

8. QUANTAS JUNTAS UMA TESOURA TEM DE VERDADE?

Eu virei a página. As perguntas seguiam adiante. Enquanto eu estava ocupado com o questionário/tesouras, o Piloto emergiu de uma porta exigindo seu trabalho de volta.

“…IZTO É UM PEDIDO DE CIDADANIA?!”

Ele de alguma forma deve ter notado os papéis que eu coloquei na mesa no meio dos panfletos de “BRANQUEIE SEUS DENTES”.

“Ahmmmm… não?” Eu respondi, percebendo que se o Piloto levasse os papéis embora eu jamais veria minha arma novamente.

“ME DAHR ISSO DAQUIEEEEER!” O Piloto gritou, subitamente se jogando pra frente para alcançar os papéis

“Pra trás!” Eu gritei, e levantei da cadeira. “Essa tesoura é bem afiada! Eu vou… ahm… fazer um corte de cabelo bem feio em você!” Eu parecia um idiota

“NÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃÃããããããããoooOOOOO.” Tropeçou o Piloto, chiando.

“É isso aí! Não se aproxime ou você ganhará um corte de cabelo!” Eu o pressionei. Eu não conseguia acreditar que minha estratégia ridícula estava funcionando.

“EU TE AMALDIÇOO, MÃOS-DE-TESOURA!” O Piloto gritou, sacudindo seu punho para mim e andando pra trás. “VOCÊ NUNCA SERÁ UM CIDADÃO DE CAPITANIA, SEU CRUSTÁCEO-LADRÃO-DE-TRAMPOS! EU VOU ME CERTIFICAR DE QUE ESSES PAPÉIS JAMAIS IRÃO PARA A MESA DO CAPITÃO! CEDO OU TARDE, SERÁ O ESCRITÓRIO DOS DESEMPREGADOS PRA VOCÊ!”

“Vaza daqui. Vaaaaza.”

Eu balancei a tesoura apontando pro Piloto e ele se retirou para o saguão, tropeçando e avisando que o Serviço Postal Nacional estava do lado dele porque seu primo trabalha lá. O Piloto estava claramente (pra minha sorte) aterrorizado sobre a tesoura ou os cortes de cabelo. Talvez fosse o plano do Capitão desde o princípio, eu ponderei, enquanto olhava pros papéis de cidadania. Agora, se eu apenas pudesse encontrar uma caneta… e talvez um pincél para essas tintas. Eu procurei em volta naquele escritório de dentista pra ver se achava algo.

Um par de lentes verdes refletiu de uma janela ao longe. O Piloto estava me observando.

“AHÁ, MÃO-AFIADA! VOCÊ NUNCA CONSEGUIRÁ PREENCHER ESSES FORMULÁRIOS!” ele gritou, extasiado. “NÃO SE EU ERRADICAR E DESTRUIR TODOZ OS SUPRIMENTOS DA NAÇÃO ANTES!”

Eu xinguei, provavelmente estava gritando novamente… ou o Piloto era mais esperto do que parecia.

Eu procurei pelo escritório de dentista rigorosamente por uma caneta ou um lápis. “Utensílios para escrever,” eu pensei, “hmmm. onde será que posso encon… Ahá!” Andei até a parede ao leste e olhei pela janela quebrada, procurando por uma loja de acessórios e conveniências que eu e o Capitão passamos em nossa caminhada até este prédio.

Estava em chamas.

Caralho, Piloto!

Bem, considerando que a loja não era mais uma opção, eu olhei para a parede preta do escritório. Os painéis de madeira estavam rachados e carbonizados, quase prateados, e, pendurado, um poster amassado de um doutor gatinho encorajando, “VOCÊ MIAUSEGUE!”

Hmmm… Você está certo Dr. Gatinho, eu consigo mesmo!

Arranquei um pedaço da parede enegrecida e comecei a escrever nos papéis, rindo enlouquecidamente por ter derrotado o Piloto. Ninguém disse que precisava ser perfeitamente legível…

… certo?

Agradecimentos:

Alexius, pela sua brilhante criação;
Aos apoiadores do Capinaremos, que atingiram a meta para o retorno do RA;
Mad, pela tradução do texto deste capítulo.

Comentários

Populares

Topo