Romanticamente Apocalíptico

Romanticamente Apocalíptico [100]

RA100G

sniiip

A caneca estava falando comigo ….

Ela me seguiu.

Como? Por quê?

Onde é que a loucura começa e onde normalidade acaba?

Não, eu não enlouqueci! Eu tenho que manter o que vejo e ouço, é isso que constitui a minha realidade, não importa quão aleatória ela se torne.

Dei um passo para trás e depois para a frente, movendo-me, incapaz de decidir o que fazer depois.

Caminhar em círculos e chutar poeira não iria me levar a lugar algum.

Eu tenho que encontrar o Capitão. Tenho de avisá-lo sobre a traição. A caneca quer matar o Capitão. Eles provavelmente mataram o Piloto.

Eles … quem são eles. Por que eu posso ouvi-los?

Deus, eu … isso soa tão louco. Deve ser assim que o Piloto se sente.

Eu cautelosamente me aproximei da caneca e a agarrei.

“O que você fez com o Piloto! Confesse seus crimes hediondos!” Eu gritei para ela.

A caneca não me respondeu.

“SAUDAÇÕES!” de repente eu ouvi por trás.

Virei-me, encontrando o Capitão sentado em uma cadeira, que foi colocada na superfície de um lago congelado.

Do outro lado da cadeira havia um aparelho de televisão antiquado.

 

“POR QUE VOCÊ ATRAPALHA MEUS SAIS DE BANHO COM ESSA SUA GRITARIA SEM SENTIDO?” Capitão perguntou, focando seu olhar roxo para mim. “VOCÊ ME PROVIDENCIOU UMA BEBIDA REFRESCANTE?”

 

Com isso, o Capitão lançou um controle remoto no aparelho de TV. A TV rangeu e afundou gelo abaixo.

 

“O quê? NÃO! A caneca foi comprometida! Ele já não é mais confiável!

Ela… quer matá-lo!” Eu desabafei, gritando. Minha voz saiu muito estridente e não natural, como se eu realmente não acreditasse no que estava dizendo. A TV afundando estava me fazendo sentir desconfortável, não ajudando na situação como um todo.

 

“NÃO ME DIGA…” Capitão olhou para mim com ligeiro interesse.

 

“Eu sei! Parece loucura, mas é verdade! Eu a ouvi falar sobre ser um sonho e tudo mais!” Eu cutuquei a caneca.

 

“ISSO É UM ABSURRDO!?” Capitão se torceu um pouco na cadeira, acenando com um braço para mim com desdém, como se espantando uma mosca incomoda.

 

“Estou falando sério!” Minha raiva interior chegou a um ponto de ebulição.

Eu balancei a caneca vigorosamente: “FALE SUA CANECA MALDITA!!!”

 

Capitão olhou para mim, parecendo bastante divertido com o meu comportamento:

“ESSA ATIVIDADE É MUITO INADEQUADA! POBRE SNIPPY, ACHO QUE A RADIAÇÃO INFELIZMENTE AFETOU SEU CÉREBRO! ”

 

“Eu não sou louco! Porra! Você é que é o suposto louco por aqui!” Eu apontei para o Capitão, gritando.

 

“ME ESCUTE! A CANECA TEM PLANOS MALIGNOS DE TE MATAR!!”

Continuei forçando minha causa perdida.

AGRADECIMENTOS:

Alexius, pela sua brilhante criação;
Aos apoiadores do Capinaremos, que atingiram a meta para o retorno do RA;
Eu, pela tradução do texto deste capítulo.

Comentários

Populares

Topo