Criptaremos

CRIPTAREMOS – Novo Corte

Olá,

Meu último post de 2016 e meu segundo conto que disponibilizo para vossa apreciação. Que tal fechar o ano com uma boa história antes de dormir? Lembre-se:

“A noite chega e é sempre mais escura pouco antes do amanhecer, isso é, se você sobreviver até lá.”

Abra sua mente, apague as luzes e se tranque no quarto, pois agora é a hora do terror.

NOVO CORTE

Em uma noite escura, pois as nuvens cobrem a lua completamente um pequeno sobrado se destaca com a luz do andar de cima acesa. Lupita, garota, jovem, veste uma camisola branca,  em suas mãos uma tesoura que abre e fecha sem parar, chora enquanto corta o próprio cabelo compulsivamente, ela está sentada à frente do espelho de sua penteadeira, sua janela que fica ao lado da penteadeira está aberta o calor é grande nessa época do ano.

– Não quero, não quero que cresçam….

Alguns segundos se passam e uma mulher aparece na frente da porta do quarto de Lupita, é sua mãe Elisa.

Elisa, mulher madura e mesmo assim bela, alta e de longos cabelos negros, ao se deparar com a cena de sua filha aparando o próprio cabelo, entra no quarto.

Lupita, o que você está fazendo?

– Ele vai crescer, ele vai crescer – responde chorosa.

Elisa tira a tesoura da mão de Lupita – Já chega! Pare com isso!

Lupita cobre o rosto com as mãos e chora mais alto – Ele vai crescer, você não entende, eu não quero.

Neste momento é possível ver pela janela do quarto de Lupita que as nuvens que cobriam a lua afastam-se.
Lupita olha pela janela apoia os dois pés na cadeira em que está sentada, ela abraça as pernas e grita – Não, eu não quero, não quero…

Na rua os cachorros começam a latir, um som grotesco sai do quarto do segundo andar do sobrado, os cães choramingam e ficam em silêncio logo em seguida, aliás não se escuta mais nada na região, na janela do segundo andar do sobrado, uma silhueta antropomórfica aparece.  Orelhas pontiagudas, focinho e braços longos, pernas fortes, uma cauda chicoteava o ar. O licantropro fareja o ar e solta um uivo alto e agudo – Auuuuuuuuuuunnn. Logo após retorna para dentro do quarto deixando a janela livre.

Dentro do quarto Lupita esta com a cabeça apoiada nos joelhos, ela chora, encara a tesoura caída no chão e fica ali na cadeira balançando para frente e para trás enquanto repete – Não quero ser como ela…não quero…não….

Lua Cheia com nuvens e o céu negro

FIM

Comentários

Populares

Topo