Colunas

Logan – I will make you hurt (review SEM SPOILERS)

O último filme de Hugh Jackman como Wolverine chega aos cinemas na semana que vem, em Logan. Na despedida do ator, preparamos duas reviews sem spoilers pra você saber se vale a pena conferir nos cinemas…

Review Logan – “Não seja aquilo que te fizeram” nos outros filmes (por Aloisio Bueno)

Bem… Antes de mais nada, esqueça tudo que você já viu do Wolverine. Não comece a ler esse texto se você tem na cabeça que vai ver algo como, garras aquecidas ou lutas contra armaduras de samurais, tecnológicas e bizarras. Esqueça, pois não foi feito nenhum filme do Wolverine antes desse. E é assim que devemos agir para que a sociedade mantenha o equilíbrio daqui em diante.

O filme começa satisfazendo o sonho de todo fã de Logan, o que não é exatamente meu caso, meu mutante favorito é o Magneto. Os trinta minutos iniciais, são cobertos de pancadaria, tiros e algo raro para as garras do Wolverine das telonas, sangue com tripa.

Mas o que é mais legal nisso tudo, é que não é uma violência gratuita. O Logan fodão de outras eras sumiu, agora temos um velho que praticamente desistiu de viver e que mal revida aos ataques que lhe fazem. O carcaju que antes não deixava nada barato, agora só sabe encher a cara e fingir que não tem nada acontecendo fora de seu núcleo.

Sim. Eu tive raiva disso. POHA! É o Logan! Mas é um Logan quebrado, nos pés da égua.

A trama se desenvolve com um pano de fundo dramático e um pouco clichê. O herói que está fudido, ganha um novo motivo para acordar e lutar. Mas o filme vai arrastar esse plot e te levar por duas horas, que serão intercaladas entre sangue e luta por sobrevivência. Serão momentos nevrálgicos, onde eu pulei da cadeira, e momentos de “calma” onde você reflete, se está com raiva do Wolverine ou alivia a barra desse mutante centenário e mais um pouco.

Os personagens que completam a história são bem trabalhados. Xavier está bitola da cabeça, mas continua sábio e poderoso. A atuação não trazia dúvidas, Patrick Stewart, nunca decepcionou. A X-23, que eu não sei o nome da atriz, também está fantástica. Você vai querer que ela seja sua filha.

O que faltou foi um vilão que fosse páreo para essa galera, por mais forte que o lado mal fosse, faltou aquele queijo suíço ou outra coisa saborosa de se provar.

Creio que o esforço e paciência de Hugh Jackman foram recompensados afinal. Ele sempre esteve em nossa mente como o Wolverine, e triste será a missão do desgraçado que o irá substituir. Possivelmente, nunca será aceito um substituto.

Foi uma bela despedida. Ou talvez não, nunca se sabe. Agora irei ver na versão dublada e me despedirei de Isaac Bardavid, que por repetidas vezes nos fez pular da cadeira em X-men Evolution, na volta da escola, almoçando e cantando a abertura do desenho.

Comentários

Populares

Topo