Papo Sério

O vilarejo Brasil e menino que gritava lobo.

 

Existe uma antiga fábula que contamos as nossas crianças para ensiná-las a não mentir, que é conhecida popularmente como ‘O Menino Que Gritava Lobo‘. Para quem não conhece, a história se passa em um vilarejo onde o medo de ataques por parte de lobos é constante e, para lidar com esse risco e proteger as ovelhas desses possíveis ataques, um jovem rapaz foi designado com uma importante função: Vigiar do alto de uma colina e avisar todos aldeões caso algum lobo fosse avistado.

Como o trabalho de vigiar pode rapidamente se tornar tedioso, o rapaz decidiu pregar uma peça no vilarejo, e bolou um “alarme falso”, gritando a plenos pulmões que um lobo estava próximo. Todos aldeões prontamente se armaram e foram combater/afugentar o lobo, porém lá chegando encontraram apenas o rapaz rindo muito, todos haviam caído em sua brincadeira. Todos ficaram com um misto de alívio e irritação, mas não puniram o rapaz.

O tempo passa e o garoto decide repetir a brincadeira, mais uma vez, e outra vez… Em todas as vezes rindo ainda mais, pois todo vilarejo sempre caia em suas “pegadinhas”. O sentimento de alívio por não terem que enfrentar um lobo de verdade ainda fez com que os aldeões “deixassem passar” as brincadeiras do rapaz.

No dia seguinte, o garoto estava mais uma vez entediado em sua colina, porém, desta vez, um sorrateiro lobo de fato surgiu no horizonte. O garoto prontamente se pôs a gritar: “LOOOBO! SOCORROOO! VENHAM! LOBOOOO!!

Os aldeões, cansados de mais um dia de trabalho e cansados das brincadeiras do garoto, decidiram não ir ao seu auxílio.

O fim da história já conhecemos, sem a ajuda do vilarejo, o lobo pode atacar as frágeis ovelhas sem nenhum tipo de defesa, causando um grande estrago.

A moral desta história é que a mentira, a desinformação, pode ter consequências terríveis. Por menor que ela seja, sem a intenção de fazer mal a ninguém, a mentira pode acabar sendo extremamente prejudicial ao todo.

 

 

Você deve estar se perguntando agora: “Mas Zanfa, o que esta fábula tem a ver com o Brasil?“. Eu gostaria de traçar um paralelo entre a fábula infantil e o nosso cenário político atual. O jogo político está entrelaçado com mentiras a respeito de adversários, isso não é de hoje e não é uma exclusividade nossa. A luta entre a oposição e a situação, as “terceiras vias”, os “outsiders” e todos demais jogadores espalham mentiras em níveis industriais. No fim, quem espalha a desinformação de forma mais efetiva, acaba ganhando a eleição.

Para quem não lembra ou não viveu ativamente a política no país durante as últimas quatro ou cinco eleições presidenciais, tivemos basicamente uma disputa entre o Partido dos Trabalhadores e o Partido da Social Democracia Brasileira, ou o lulopetismo contra os tucanos. Para se manter no poder, quando chegavam as eleições, a máquina petista virava o menino do vilarejo. Eles passaram anos gritando e alertando a população que seus adversários eram lobos.

A entidade “Lobo” aqui é representada por uma ideologia autoritária como o fascismo ou até mesmo o nazismo. O PT sempre alertou que seus adversários iriam destruir o Brasil, instaurando o medo na população e basicamente a “forçando” a se manter com alguém “seguro e confiável”. O petismo sempre representou, através do seu populismo e do assistencialismo, o “único partido preocupado com os pobres e minorias”, colocando todos os demais como monstros capitalistas sem coração.

Sim, Lula teve seus méritos, aprimorou alguns programas assistencialistas já em andamento do governo anterior e os vendeu como ninguém, com a criação do ‘Fome Zero’ e o ‘Bolsa Família’. Depois, e as custas de um alto endividamento nacional, muito crédito foi distribuído em outros programas desenvolvimentistas, como o ‘Minha Casa, Minha Vida’, o FIES, os empréstimos altamente questionáveis do BNDES e os “PAC’s”, Programas de Aceleração de Crescimento. São programas populares, que aumentaram a credibilidade do PT com a população, que pouco ou nada sabe sobre o déficit financeiro do país e como isso impacta diretamente sua vida.

Ou seja, o PT era um bom garoto, pelo menos aos olhos leigos do “vilarejo Brasil”. Então, toda vez que o garoto alertava que um lobo estava se aproximando, a população obedientemente corria para defender o próprio garoto, rechaçando qualquer possível ameaça, mesmo que essa ameaça nunca de fato tenha existido.

O problema é que este nosso fanfarrão garoto não é tão bonzinho assim, não é? Parece que o vilarejo demorou um pouco para perceber, mas após os escândalos do ‘Mensalão’, do ‘Petrolão’ e mais recentemente com todas as inúmeras etapas da ‘Operação Lava Jato’, aparentemente o vilarejo encheu o saco e não quer mais correr para proteger esse garoto, mesmo ele gritando em 2018 a plenos pulmões que agora sim o lobo está em nossa porta.

Vejam, não acho que o Bolsonaro represente de fato esse “lobo do fascismo”, apesar dos gritos do garoto do PT estarem ecoando em diversos setores da sociedade, na mídia local e internacional e em muitos influenciadores.

Enfim, por mais que esses ecos e gritos de socorro reverberem, as pesquisas de intenção de voto deixam claro que o vilarejo cansou de correr atrás de alguém que deveria nos proteger, mas não tem feito um trabalho muito bom.

Esperamos que o lobo não nos ataque, esperamos que apenas estejamos trocando de ‘menino da colina’. Mas, se de fato formos devorados por esse lobo, saibam que um dos principais culpados por isso acontecer é o atual garoto, que já mentiu tanto até perder toda credibilidade. Não culpem o vilarejo por não acreditar.

Comentários

Populares

Topo